terça-feira, março 13

Defixus



Hoje não acordei
Amarrotado e torcido é como estou
Nunca um corpo se assemelhou tanto ao tronco daquilo que ora escrevo
Sinto a alteridade como sustento da íntima sensação que me invade a mente no momento
Apesar do evidente caos carnal, não deixo de me render à injúria de quase troçar a inaptidão física perante a facilidade com que espiritualmente me escapo para o submundo da minha própria insânia… e é, no mínimo, desolador, encarar o estranho estado ataráxico evocado na profundidade das sombras que me revelam
O corpo é indubitavelmente extinto
Hoje, escrevo a fractura capital desse abandono e deixo-me pendular na ondulação anestésica de mais uma ilusão
O desvario que me conduz, sempre teve o semblante de uma valquíria tortuosa de tão sedutoramente silente… foda-se, que puta deslumbrante

Eis-me, como dádiva protagonista à comédia divina dos escombros – um genuíno e embaraçoso decoro carregado em ombros