sexta-feira, março 24

A difusão sentimental de um sorriso ténue


Um dia perguntaste como se controlam os sentimentos, as emoções – eu limitei-me a responder-te com aquele tão particular sorriso que os lábios me caracterizam na hora de providenciar a resposta mais justa - como se as houvesse.
Pois bem, hoje respondo-te da forma mais justa que consigo no momento, dizendo-te que é muito mais fácil controlar o intelecto que os sentimentos. Francamente, não podia ser de outra forma e, esta que faz a ocasião, apesar de ser a eleita, o estatuto não a torna de maneira alguma apetecível e muito menos desejada. É que, apesar de ser muito mais fácil controlar o intelecto, facto é que controlar seja o que for não é de todo pêra doce.
Relativamente aos sentimentos ou emoções que nos afectam e influenciam a um determinado estado de espirito, o que realmente importa é que nos interroguemos sobre o que verdadeiramente é.
Se uma sombra nos é aprazível, devemos dizer a nós próprios “esta sombra era mesmo o que mais me convinha neste momento”. Quero eu dizer que temos de dar corpo a tudo aquilo que nos toca sem nos tocar, que nos diz sem falar…
O impacto, caso a sombra entretanto desapareça, será menor, muito menos perturbador no nosso estado de consciência, porque sabemos que era afinal uma sombra – uma mera sombra, tal como um pai ou um filho são somente seres humanos.
A grande e real merda é que, como diz um dos meus autores favoritos Sir Francis Bacon: “O intelecto humano não é luz pura”.
Não é obviamente e sinceramente nem estou a ver como poderia ser, tendo em conta que a verdade do Homem se baseia fundamentalmente naquilo que prefere ou lhe dá mais jeito, declinando até à medula da ossaria tudo aquilo que se apresenta como uma dificuldade, avisado que está pela impaciência do acto de pensar.
Opta-se pela puta da superstição em prejuízo dos princípios supremos da própria existência – eis o culto do paradoxo a troco da aceitação do vulgo.
Espero que… tu compreendas um pouco mais porque razões, mesmo que imperceptivelmente, o sentimento se insinua e afecta o intelecto.

Sem comentários: