quarta-feira, setembro 10

Sonhar-te

Sonhar-te é como tocar o anonimato de uma noite sem estrelas - é como beijar a fina derme do pudor de tudo aquilo que não escrevo
Há tanta coisa que não escrevo e morrerei sem alguma vez a ter escrito
Existe em mim esse colosso, um silêncio implacável… que se replicará na longitude da demora e é desse silêncio que brota o que mais de valioso existe – o próprio silêncio
Sonhar-te é como contemplar os profundos olhos da quietude


Sem comentários: