quinta-feira, outubro 30

Às vezes


Às vezes sinto-me pra lá e pra cá num baloiço velho de gaiola
Pintada de luz obsoleta
Às vezes sinto-me um alfarrabista de cultura maltrapilha
Esquecida no pó do tempo
Umas vezes sou silêncio
Outras vezes a exaltação do desalento

Sem comentários: