quinta-feira, outubro 2

Palavras soltas – sentido perdido


Não são eles frios, os olhos que em mim vês
Não são elas envelhecidas, as palavras que de mim ouves
Ainda sangro da mesma chaga
Ainda o mesmo chiste de sal
O eterno e obstinado sonho
Causa imortal


Eu continuarei a perseguição do irreal
Mesmo sabendo que morrerei cada vez mais
De cada vez


Escondido dos dias
Tornei-me invisível
Oculto dos anos
Desapareci

Sem comentários: