sexta-feira, novembro 14

Se eu fosse um Deus


Sabes o que aconteceu quando o caos ateou as nossas chamas
Nós, que absortos sempre nos mantivéramos
Alheados da aflição da escravatura da luz
Deslumbrados… assistimos à formação do cosmos
Tendo para isso bastado um ceptro e o seu aceno
Extinguiu-se a liberdade… a nossa liberdade
Percebemo-lo tarde demais

Se eu fosse um Deus
Devorar-me seria o meu primeiro acto

Eu voltarei a encontrar o paraíso
No fátuo fogo da minha alma

Sem comentários: