terça-feira, janeiro 10

Mercurius


Assim ecoas no meu alento, como um subtil aroma, um veneno, ou a embriaguez de mais um sonho em downtempo
Louco sou ou louco te pareceria se à brisa da morte a minha sorte eu ofertasse, ou, se um dia esse mero dia eu ousasse
Eu conheço todas as pétalas de prata, a centelha mágica no tão habitual fulgor da noite que não ata nem desata
Foda-se… que bem ficas tu vestida de luz, essa incandescência anil que a alma me arrebata e o sangue me seduz

Sem comentários: