quarta-feira, março 15

Kyrie



Hoje a noite está boa para isto.
A música toca e eu já não sei se é a melodia que me embala o pensamento ou se é o que não penso que a faz vibrar.
Não posso deixar também eu de entoar, enquanto sinto este enlevo intimo, tão puro e sublime ao ponto de me esquecer de mim mesmo. E de repente, nada é trágico e sequer eufórico. Tudo é tão tranquilamente divino!

Tu, que me estás a ler… olha-me nos olhos se realmente queres ver.
Não tens sempre de querer para fazer acontecer. Às vezes basta ser.
Às vezes temos de deixar de ser.

Sente comigo este réquiem dominante. Ousa.
Despoja-te dessas vestes litúrgicas que a pele te cobre e precipita-te nua ao abismo da minha penumbra.

Ambos seremos temperatura.

Sem comentários: