quinta-feira, março 23

Pentanoite


Hoje comparo-me à própria noite, como se me fosse possível tamanha integridade. Talvez por isto mesmo a sonhe tão insistentemente, ora acordado, ora ausente.
Escusado é contrariar-lhe a posse que tem de mim - ela, mãe, sabe porque sou assim.
Como o principio de qualquer coisa, há quem a procure desde o chão. Há quem a tente tocar com a mão.
Para muitos, o coração escuro do tempo, que os ampara e lhes dá alento.
Noite de insónia… de mil e uma vontades que não calam, que não cessam, sejam fantasias, sejam verdades.
Que o sossego dos meus olhos não acorde, nesta noite que não dorme.

Sem comentários: