quinta-feira, junho 29

Queres perguntas difíceis?



Que imagem mental tens tu sobre quem és, tendo em conta todos os condicionalismos, sejam eles pessoais ou culturais a que estás sujeita?

Esse bastardo de cada um de nós, esse “eu” contrafeito, chama-se ego. Consiste e resume-se em rambóia mental e só pode sobreviver às custas de constante cozedura de neurónios.
O ego não representa a mesma coisa para toda a gente, vamos por isto mesmo, considerá-lo como o conceito que cada um tem de si próprio.
O ego alimenta-se de passado e futuro e se um é estoicamente mantido, porque afinal o que seríamos nós sem ele, o outro, recebendo a projecção do primeiro, garante a nossa própria sobrevivência e realização.
É como dizer… um dia, quando a tua boca beijar a minha, eu serei feliz.
Bem sei que, por momentos, parece mesmo que o ego não é vesgo e até está a olhar para o momento presente, mas não está. Simplesmente porque o moço apenas vê com olhos de nostalgia e, quando assim não é, o agora não lhe é mais que um meio para atingir um fim.


Sem comentários: