quinta-feira, junho 15

Vi-te... antes de te saber



Eu vi-lhe os malditos olhos na sua própria brisa fresca e húmida
Vi como os fazia dançar contra o embalo do seu peito morno

Corei…

Num petulante conjuro de estrelas e murmúrios de abandono
O seu sopro cheirei
Do meu coração não mais fui dono


Sem comentários: