sábado, maio 31

Na debilidade da luz



Finalmente o silêncio, a afectuosidade do sossego portanto
De novo a ânsia de um breve vislumbre da realidade
Eis o crepúsculo na sua mais enrodilhada fragilidade…
Para uns tudo, para outros nada

Para mim saudade

Sem comentários: